segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Passei a maior parte do fim-de-semana a pensar se viria aqui escrever sobre ti ou não, até que cheguei à conclusão de que não fazia mal nenhum. Já disse, várias vezes, que não iria escrever mais sobre ti mas como podes ver, não consigo. Apesar de tudo o que me fizeste, sempre foste uma pessoa super especial para mim e eu não consigo esquecer isso. Agora escrevo sem lágrimas nos olhos, sem tristeza, sem dor no peito, e, para mim, isso é uma grande vitória. Continuo a sentir saudades tuas, a sentir a falta de falar contigo a toda a hora, a sentir falta das tuas palhaçadas quando me sinto em baixo, mas penso que já me mentalizei de que isso não vai voltar a acontecer. Depois de tudo o que se passou entre nós, eu mudei. Consegui tornar-me numa pessoa melhor, que apesar de querer lutar, sabe quando o tem de fazer e quando é tempo de parar. Afinal de contas, passámos um ano juntos. Foi um ano de tantas confusões na minha cabeça: foi o início do 10º ano, turma nova, problemas em casa, problemas com o Bruno... Até que tu chegas-te e conseguiste fazer com que eu me fosse sentindo melhor, todos os dias. Fizeste com que eu me sentisse adorada, pois na verdade, tu mandavas-me mensagem todos os dias, ligavas-me quando percebias que eu não estava bem, fazias palhaçadas para mim na web só para eu me rir. Foste um grande amigo, muito grande mesmo. E, por isso, eu ficar-te-ei sempre grata, acredita. Apenas me magoam algumas coisas que fizeste, mas pronto, isso faz parte do passado que já lá vai. Sim, seguidores, éramos apenas amigos e, no que dependia de mim, ainda hoje podíamos ser, mas ele não quis. Eu tentei mandar-te mensagens, ligar-te, mas não deu em nada e não faz mal, não te culpo por isso, mas também não vou andar mais atrás de ti. Se algum dia quiseres resolver tudo e recuperar o tempo perdido, sabes qual é o meu número de telemóvel, sabes onde é a minha escola e sabes onde moro. Até lá, espero que tudo te corra pelo melhor, e espero que não te desiludas com a pessoa que nós sabemos. Fico a aguardar o teu regresso. Não encaro isto como uma despedida, mas como um até já!
































Apesar do sentimento ter mudado, continuo a gostar de ti .